Cidades sustentáveis? Ainda não chegamos lá


Hoje, pela primeira vez na história da humanidade, mais pessoas vivem em cidades do que em áreas rurais. 

A questão é: A urbanização é uma coisa boa ou ruim para a sustentabilidade?

Estudos anteriores sugeriram que compactar a vida urbana é mais eficiente e com uma pegada ambiental mais baixa.

Ao mesmo tempo, no entanto, as cidades produzem as maiores emissões de carbono do mundo. Uma pesquisa recente descobriu que, áreas urbanizadas populosas não podem realmente ser consideradas "sustentáveis" a menos que também levem em conta os impactos indiretos que têm o uso dos bens e serviços importados de outras regiões.

Um estudo holandês mostra que satisfazer as necessidades de alimentos dos Países Baixos, exige uma extensão de terra rural e agrícola, quatro vezes maior do que o próprio país. 

Outras regiões urbanas são susceptíveis de ter efeitos além-fronteiras semelhantes.

"Com atualmente mais da metade da população mundial, as cidades são suportadas por recursos provenientes de regiões essencialmente rurais, muitas vezes localizadas ao redor e muito distantes" publicado na Real Academia Sueca de Ciências na revista Ambio.

"A sustentabilidade de uma cidade não pode mais ser considerada isoladamente mas sim em relação a sustentabilidade dos recursos naturais e humanos que utiliza a partir de regiões e cidades próximas ou distantes."

"Nesta linha de pensamento - disse Karen Seto, co-autora do estudo e especialista em urbanização da Yale University - durante as três primeiras décadas do século 21 uma área de mais de 15 mil campos de futebol vai se tornar urbana", "Em outras palavras, a previsão é de que a humanidade construirá mais áreas urbanas, durante os primeiros 30 anos deste século do que em toda a história."

E a humanidade está aumentando as áreas urbanas a uma taxa de 185 mil novos moradores por dia . A gestão das grandes cidades e seu rápido crescimento, de forma sustentável significa ter uma melhor - e, de preferência, em tempo real, ou quase em tempo real - compreensão dos fatores complexos, como uma miríade de fluxos de recursos e emissões de carbono. 

Felizmente, observou Sybil Seitzinger, diretora-executiva do Programa Internacional Geosfera-Biosfera  em Estocolmo, "as tecnologias digitais agora estão colocando esse tipo de informação ao nosso alcance."




Por exemplo, os mais avançados conhecimentos, baseados em dados poderiam ajudar a planejar os tomadores de decisão para o crescimento populacional da cidade, com a expansão menos prejudicial à natureza. Sem um melhor planejamento, a pegada total das cidades até 2030 poderá ser três vezes maior do que era em 2000.

Isso poderá causar perdas maciças de biodiversidade e da vegetação, com todos os tipos de repercussões potencialmente negativas.

Entre as organizações que têm trabalhado para orientar cidades rumo a uma maior sustentabilidade são o C40 Cities Climate Leadership Group e o Conselho Mundial de Prefeitos sobre Mudanças Climáticas , bem como empresas multinacionais como IBM , Cisco , Philips , Siemens , Accenture e Capgemini .

A IBM tem um sistema chamado Centro de Operações Inteligente para cidades mais inteligentes , é um sistema de TI que reúne dados da cidade de várias fontes tais como: operações de serviços públicos, serviços de emergência, sistemas de tráfego e muito mais - auxiliando os gestores a compreender melhor quais os problemas que precisam de atenção e onde os recursos são mais necessários . A Cisco está trabalhando para atualizar a cidade holandesa de Eindhoven suprindo os gestores urbanos com tecnologias de comunicação para fornecer informações e Serviços virtuais aos Cidadãos.

Mesmo com tantos e diferenciados esforços em andamento para tornar as cidades "mais inteligentes", no entanto, ainda não houve qualquer forma de medir o quão "inteligente" a cidade pode ser.

A City Protocol Society , lançada no final de 2012 e o Smart City Expo World Congress , em Barcelona, ​​são alguns exemplos destinados a medir estas iniciativas.

Descrito como uma espécie de programa LEED para as cidades a City Protocol Society está trabalhando para criar padrões para as cidades sustentáveis ​​para permitir uma melhor partilha de informação e testar programas e tecnologias em todo o mundo.
O objetivo da City Protocol Society é "acelerar a transformação sustentável, oferecendo orientação e ação colaborativa para que cidades não tenham que fazer isoladamente suas ações de transformação."

Entre os membros da City Protocol Society, estão as empresas citadas acima, juntamente com instituições acadêmicas como o MIT, a London School of Economics, a Universidad de Cantabria, Universidade Younsei e a Universitat de Girona.

As cidades que aderiram até agora são: Amsterdam, Barcelona , Bristol, Buenos Aires, Copenhague, Dublin, Helsínque, Hyderabad, Istambul, Lima, Medellín, Maputo, Moscou, Nova York, Nairobi, Paris, Quito, Roma, Seul, San Francisco, Estocolmo, Taipei e Yokohama.

A City Protocol Society traçou a sua missão fundamental:

"O ponto de partida para a CP é que cada cidade tem sua própria história de como chegou onde está hoje. Cada cidade enfrenta sua própria mistura especial de oportunidades e ameaças e seu próprio conjunto de pontos fortes e fracos.

"Por isso, nenhuma cidade pode simplesmente copiar, no futuro, as soluções de qualquer outra cidade.

"No entanto, todas as cidades têm algumas coisas em comum. A dificuldade é como identificar os pontos em comum com clareza suficiente para que as cidades possam decidir com quem fazer parceria, a fim de que problemas comuns possam ser resolvidos em conjunto"

Cidades "sustentáveis" não podem ser comparadas

Não há ainda nenhuma forma consistente, confiável e baseada em dados de medir e comparar "Cidades verdes", "Cidades Sustentáveis" e "Cidades inteligentes” em relação às emissões de carbono, o transporte de baixo carbono e a eficiência dos recursos, no entanto, isso pode mudar em breve.

Pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona, por exemplo, desenvolveram recentemente um software que pode estimar as emissões de carbono locais de estradas e edifícios isolados . Eles usaram um sistema - chamado "Hestia" em homenagem à deusa grega do fogo e da família - para gerar um mapa de emissões para a cidade de Indianápolis, e estão trabalhando em mapas semelhantes para Phoenix e Los Angeles.

Outras medições, digamos, o número de carros per capita na cidade, que pode indicar a eficiência do transporte - ainda não são tão facilmente identificáveis e quando estes dados estão disponíveis, às vezes indicam que as áreas urbanas com reputação sustentável podem não ser tão sustentáveis quanto pensamos.

Considerando a cidade brasileira de Curitiba , que tem sido apontada como um exemplo, de transporte público inteligente e eficiente, no entanto, as mudanças nas políticas de gestão urbana e o rápido crescimento da cidade, revelaram que o sistema não é tão eficiente quanto se fala, na verdade, Curitiba tem mais carros per capita - 1,4 - do que qualquer outra cidade do Brasil.

Se é um desafio a transformação de uma mega-cidade em uma cidade sustentável, construir uma cidade do zero pode ser ainda mais problemático. As cidades têm sido criadas histórica e organicamente, nos lugares que atendem a uma grande variedade das necessidades humanas, e isso não é mensurável. Além disso, como será construir com "baixo impacto" uma comunidade de milhares e milhares de pessoas, onde não existia absolutamente nada?

São questões como estas que pesquisadores importantes, como Richard Sennett - professor de sociologia na Faculdade de Economia e professor de Ciências Sociais do MIT – Será que cidades inteligentes e planejadas como Songdo na Coréia do Sul ou Masdar City , em Abu Dhabi são o caminho a percorrer?

Sennett escreveu em uma coluna recente no The Guardian:

"Um grande número de pesquisas feitas na ultima década, em cidades tão diferentes como Mumbai e Chicago, sugerem que serviços básicos eficientes são, acima de tudo, o que as pessoas querem e que isto é que é qualidade de vida", "Um dispositivo de GPS não vai, por exemplo, fornecer um senso de comunidade.

Além disso, a perspectiva de uma cidade ordeira não tem sido atrativa para migração voluntária, nem no passado às cidades européias, nem hoje para as cidades que são construídas na América do Sul e na Ásia.

Se as pessoas têm uma escolha, elas querem uma cidade indeterminada, mais aberta, onde possam fazer o seu destino, esta é a forma como as pessoas podem vir a decidir o rumo de suas vidas"

Toda esta questão nos leva a perguntar: "De que adianta uma cidade fazer um Plano Diretor com regras onde não se pode construir edifícios com coeficiente alto de aproveitamento do terreno que levaria a um adensamento acima da infraestrutura se, no município vizinho esta regra não for seguida e ocasionar o colapso da infra estrutura daquela cidade que se preocupou com tal aspecto da ocupação urbana?"

Postagens mais visitadas deste blog

Ciclovias, verdades e mentiras.

O Projeto e a baixa Produtividade na construção